Música para bebés (ou talvez não)

Lá em casa somos viciados em música. O pai R. começou por estudar contrabaixo mas não continuou com muita pena minha. Temos algumas guitarras, baixo, xilofone, harmónicas, a bateria já foi vendida… na parte que me toca adoro cantar. Em miúda ainda me apaixonei pela viola clássica mas depressa percebi que não era para mim.

Sou fascinada pela voz, pelo canto e se tiver companhia ainda melhor. Ainda grávida do G. inscrevi-me num coro onde me fartei de cantar! Não sei se por isso mas o nosso G. é um pequeno rouxinol.

Não quero com isto afirmar que qualquer um dos dois cante realmente alguma coisa de jeito 🙂

De seguida vou mostrar-vos uma breve compilação do que ouvimos em família.

Para os primeiros meses a escolha do pai recaiu em Raymond Scott, compositor e músico americano. Soothing Sounds for Baby (1964) é uma colectânea de 3 volumes de música electrónica e minimalista para bebés. Em colaboração com o Gesell Institute Of Human Development, estes volumes distribuem-se em 3 grupos etários: Vol.1 - 1 a 6 meses; Vol.2 - 6 a 12 meses e Vol.3 - 12 a 18 meses. A maior parte da música foi feita com instrumentos que o próprio criou e torna-se mais complexa a cada volume. Primeiro estranha-se, depois entranha-se.

Um dos primeiros livros musicais que comprei foi o Cantar Juntos 1. Este livro de canções e rimas é uma verdadeira delícia. Muito completo, adequado à faixa etária (até aos 3 anos) e o facto de ter cd ajuda a memorizar as melodias. Existe ainda um volume 2 para crianças dos 3 aos 6 anos, com ilustrações igualmente bonitas do Planeta Tangerina. Aprovadíssimo cá por casa!

Depois podemos falar do Sérgio Godinho. Oh se podemos! Quem é que não se lembra dos Amigos do Gaspar (1988)? Este álbum é um must have em qualquer lar português!

Em 2004 Adriana Calcanhotto brinda-nos com o seu álbum Adriana Partimpim e revoluciona a música para crianças, ou como ela prefere chamar: “disco de classificação livre”. Um clássico com sabor a mar.

Por terras lusas temos o nosso B Fachada com o álbum B Fachada É Pra Meninos (2010). Um álbum revelação no que toca à desconstrução de clássicos como “Joana Come a Papa”, onde se pode ouvir: "Larga a sopa João/ não comas mais/ não dês ouvidos às mentiras dos teus pais”; um apelo à rebelião e à deseducação. Um exercício de humor e boa disposição. Imperdível.

Os Clã dispensam apresentações. Disco Voador (2011), o sexto álbum do grupo, foi considerado o 2º melhor álbum nacional do ano pela revista Blitz. Tem letras geniais, (da Regina Guimarães) e muita da energia que os Clã já nos vêm habituando.

Para terminar temos a mais recente criação da Luísa Sobral: Lu-Pu-I-Pi-Sa-Pa (2014), cujo título foi inspirado na famosa língua dos pês. Canções como: “Onde foi o avô”, que se atrevem a falar da morte ou “Mãe”, que faz derreter todos os corações de Mãe pelo mundo 🙂 são as minhas preferidas.

Esta foi uma excelente surpresa para começar o ano com um sorriso na cara e muita música no coração 😉 Espero que gostem!

Bom ano!

Bebé Parentalidade Vida de Mãe

4 comentários

4 comentários

  1. frascodememorias comentou:

    9 Janeiro, 2015 às 17:04

    Sugestões preciosas!
    Hoje vai haver música nova em casa 🙂

  2. Marta Nabais comentou:

    13 Janeiro, 2015 às 0:46

    Boa! 😉

  3. susanacgalliblog comentou:

    28 Maio, 2015 às 21:27

    Que bom! há tanto tempo que procuro musica boa em portugués para as crianças ca de casa. Obrigada!

  4. Marta Nabais comentou:

    5 Junho, 2015 às 15:03

    Ainda bem que gostou Susana 😉

Deixe um comentário

O seu email não será publicado.